Distração, não partidarismo, leva ao compartilhamento de desinformação

4

Não precisamos de um estudo para saber que a desinformação é galopante nas redes sociais; só precisamos fazer uma pesquisa por "vacinas" ou "mudança climática" para confirmar isso. Uma pergunta mais convincente é por quê. É claro que, no mínimo, há contribuições de campanhas organizadas de desinformação, partidários políticos desenfreados e algoritmos questionáveis. Mas, além disso, ainda há muitas pessoas que optam por compartilhar coisas que mesmo um exame superficial mostraria que eram lixo. O que os está impulsionando?

Essa foi a questão que motivou uma pequena equipe internacional de pesquisadores, que decidiu dar uma olhada em como um grupo de residentes nos Estados Unidos decidia quais notícias compartilhar. Seus resultados sugerem que alguns dos fatores padrão que as pessoas apontam ao explicar o tsunami de desinformação – incapacidade de avaliar as informações e preconceitos partidários – não estão tendo tanta influência quanto a maioria de nós pensa. Em vez disso, grande parte da culpa é direcionada às pessoas que simplesmente não prestam atenção.

Você compartilhou que?

Os pesquisadores realizaram uma série de experimentos bastante semelhantes para obter os detalhes do compartilhamento de informações incorretas. Isso envolveu painéis de participantes baseados nos Estados Unidos, recrutados por meio do Mechanical Turk ou de uma população de pesquisa que forneceu uma amostra mais representativa dos Estados Unidos. Cada painel tinha várias centenas a mais de 1.000 indivíduos e os resultados eram consistentes em diferentes experimentos, portanto, havia um certo grau de reprodutibilidade dos dados.

Para fazer os experimentos, os pesquisadores reuniram um conjunto de manchetes e frases iniciais de notícias que foram compartilhadas nas redes sociais. O conjunto foi misturado uniformemente entre as manchetes que eram claramente verdadeiras e claramente falsas, e cada uma dessas categorias foi dividida novamente entre as manchetes que favoreciam os democratas e aquelas que favoreciam os republicanos.

Uma coisa que ficou clara é que as pessoas geralmente são capazes de julgar a precisão das manchetes. Havia uma lacuna de 56 pontos percentuais entre a frequência com que um título preciso era classificado como verdadeiro e a frequência com que um título falso era. As pessoas não são perfeitas – elas ainda erram com frequência -, mas são claramente muito melhores nisso do que costumam ser considerados.

A segunda coisa é que a ideologia não parece realmente ser um fator importante para julgar se um título era exato. As pessoas estavam mais propensas a avaliar as manchetes que concordavam com sua política, mas a diferença aqui era de apenas 10 pontos percentuais. Isso é significativo (social e estatisticamente), mas certamente não é uma lacuna grande o suficiente para explicar a torrente de desinformação.

Mas quando as mesmas pessoas foram questionadas sobre se compartilhariam essas mesmas histórias, a política desempenhou um grande papel e a verdade retrocedeu. A diferença na intenção de compartilhar entre manchetes verdadeiras e falsas era de apenas seis pontos percentuais. Enquanto isso, a diferença entre o fato de uma manchete concordar ou não com a política de uma pessoa apresentou uma diferença de 20 pontos percentuais. Colocando em termos concretos, os autores olham para a manchete falsa "Mais de 500 'Caravaners de Migrantes' presos com coletes suicidas." Apenas 16 por cento dos conservadores na população pesquisada consideraram isso verdadeiro. Mas mais da metade deles foram receptivos a compartilhar nas redes sociais.

No geral, os participantes tinham duas vezes mais probabilidade de considerar compartilhar uma manchete falsa alinhada com sua política do que classificá-los como precisos. Ainda assim, surpreendentemente, quando a mesma população foi questionada sobre se é importante compartilhar apenas conteúdo preciso nas redes sociais, a resposta mais comum foi "extremamente importante".

O que está acontecendo aqui?

Assim, as pessoas podem distinguir o que é preciso e dizer que compartilhar o que é preciso é importante, mas quando se trata de realmente tomar a decisão de compartilhar, a precisão não importa muito. Ou, como os pesquisadores colocaram, algo sobre o contexto da mídia social desvia a atenção das pessoas da preocupação com a verdade para o desejo de obter curtidas e sinalizar sua afiliação ideológica.

Para saber se esse poderia ser o caso, os pesquisadores alteraram ligeiramente o experimento para lembrar as pessoas sobre a importância da precisão. Em sua pesquisa modificada, eles começaram pedindo às pessoas que avaliassem a precisão de uma manchete de notícias não partidária, o que deveria tornar os participantes mais conscientes da necessidade e do processo de fazer esse tipo de julgamento. Aqueles que receberam essa mensagem eram menos propensos a relatar que estavam interessados ​​em compartilhar manchetes de notícias falsas, especialmente quando tais manchetes concordavam com sua política. Coisas semelhantes ocorreram quando as pessoas foram simplesmente questionadas sobre a importância da precisão antes de fazer a pesquisa, e não depois.

Tudo isso é consistente com a ideia de que as pessoas valorizam a precisão, mas não necessariamente pensam muito sobre isso quando estão usando a mídia social. No geral, os pesquisadores estimam que seja responsável por cerca de metade da decisão de compartilhar informações incorretas. Em contraste, a incapacidade de identificar desinformação é responsável por menos de um terço, e as influências partidárias explicam 16%.

Finalmente, os pesquisadores fizeram um pequeno experimento de rew-world, contatando mais de 5.000 usuários do Twitter que anteriormente compartilhavam links para Breitbart ou Infowars, duas fontes principais de informações partidárias imprecisas. Os pesquisadores pediram a esses usuários que avaliassem a precisão de um único título não partidário, na esperança de que isso funcionasse como um incentivo para que eles considerassem a precisão antes de compartilhar algo.

E a cutucada aparentemente funcionou. No geral, a qualidade das fontes de notícias por trás dos artigos compartilhados por essas pessoas aumentou 5%. Mas isso acabou significando que eles tinham 2,8 vezes mais probabilidade de compartilhar material de sites de notícias convencionais.

Não é apenas um problema

A conclusão geral aqui está de acordo com muitas pesquisas anteriores, portanto, não é especialmente surpreendente. Há extensa experimentação mostrando que as pessoas tendem a chegar a julgamentos precipitados que tendem a sinalizar suas afinidades culturais e ideológicas; a energia mental que eles deveriam gastar para avaliar esses julgamentos repentinos, em vez disso, normalmente é direcionada para defendê-los depois de feitos. É fácil conciliar isso com a conclusão geral de que, quando não estão especificamente focados na precisão, o partidarismo desempenha um grande papel.

Embora este possa ser o maior fator individual aqui, no entanto, claramente não é o único; a incapacidade de julgar a precisão também desempenha um papel importante, e há claramente alguns casos em que as preocupações partidárias superam a precisão. Esse último caso provavelmente vale a pena examinar com muito mais detalhes, e poderíamos potencialmente obter informações importantes dos dados que os pesquisadores já possuem. Este grupo é impulsionado por histórias específicas que os partidários consideram importante avançar? Ou é impulsionado por um pequeno número de pessoas que optam consistentemente por compartilhar histórias partidárias, independentemente de sua precisão?

A última coisa que fica clara é que não há solução fácil aqui. Embora um empurrãozinho possa fazer com que as pessoas mudem um pouco o comportamento, não consegue eliminar o problema. E não terá qualquer influência no grande número de contas que existem apenas para participar em campanhas organizadas de desinformação.

Nature, 2021. DOI: 10.1038 / s41586-021-03344-2 (Sobre DOIs)

Fonte: Ars Technica