Facebook traz de volta notícias depois que o governo australiano altera a próxima lei

6

O Facebook irá restaurar o conteúdo de notícias para sua plataforma na Austrália depois que o governo concordou em alterar sua proposta de Código de Negociação da Mídia de Notícias. Em um atualização postada hojeWilliam Easton, do Facebook, diretor administrativo da Austrália e da Nova Zelândia, disse que a empresa está "satisfeita com o fato de o governo australiano ter concordado com uma série de mudanças e garantias que atendem às nossas principais preocupações". O conteúdo das notícias retornará à plataforma “nos próximos dias”, disse Easton.

O Facebook e o Google estão em desacordo com o governo australiano sobre uma lei que exigirá que eles paguem editores pelo conteúdo compartilhado em suas plataformas. Em resposta ao código de negociação proposto, o Facebook tomou medidas extremas na semana passada de bloqueando notícias de serem compartilhadas em sua plataforma por usuários e editores australianos.

As alterações, que foram descritas em um liberação do governo australiano, incluem dar às empresas de tecnologia e editores dois meses para chegarem a acordos entre si, que O jornal New York Times notas parece dar ao Facebook mais tempo para fechar negócios, semelhantes aos alcançados pelo Google.

Outra emenda observa que o governo deve levar em consideração se uma empresa de tecnologia já chegou a acordos comerciais com a indústria de notícias australiana. O NYT observa que isso abre a porta para o Facebook e o Google para evitar os aspectos mais temidos do código de negociação, assinando mais mídia para seus respectivos produtos Facebook News e Google News Showcase.

As grandes empresas de tecnologia dos EUA estão particularmente preocupadas com a lei que as força a arbitrar com empresas de notícias se não conseguirem chegar a um acordo. Eles afirmam que esse processo de arbitragem subestima o valor que seus serviços fornecem aos editores de notícias, como o tráfego da web que pode ser monetizado com anúncios.

Em um comunicado, o vice-presidente de Parcerias de Notícias Globais do Facebook, Campbell Brown, disse que o governo australiano "esclareceu que manteremos a capacidade de decidir se as notícias aparecerão no Facebook para que não fiquemos automaticamente sujeitos a uma negociação forçada". Ela acrescentou que isso significa que o Facebook pode “apoiar os editores que escolhermos, incluindo editores pequenos e locais”.

Em resposta ao acordo, o tesoureiro australiano Josh Frydenberg disse: “O Facebook se comprometeu a entrar em negociações de boa fé com empresas de mídia de notícias australianas e buscar chegar a acordos para pagar pelo conteúdo”, o Sydney Morning Herald relatórios.

Enquanto o Facebook tomou a medida extrema de bloquear todas as notícias do país em resposta à lei, o Google tem estado ocupado acordos de corretagem com os editores de notícias do país para pagá-los como parte de seu produto News Showcase. Como parte do produto, o Google também está fazendo acordos com editoras internacionais para cobrir outras publicações ao redor do mundo. Inicialmente, o Google também ameaçou retirar serviços da Austrália.

Com as emendas aprovadas na manhã de terça-feira, o Sydney Morning Herald observa que a legislação pode ser aprovada pelo Parlamento do país já na quarta-feira.

Fonte: The Verge