Os primeiros aplicativos dos EUA baseados no Google e no Apple Exposure Notification System são esperados nas "próximas semanas"

7

Google Vice-presidente de engenharia Dave Burke forneceu uma atualização sobre o Sistema de notificações de exposição (ENS) desenvolvido pelo Google em parceria com a Apple como forma de ajudar as autoridades de saúde pública a complementar os esforços de rastreamento de contatos com uma solução conectada que preserva a privacidade e alerta as pessoas sobre a possível exposição a casos confirmados de COVID-19. Na atualização, Burke observa que a empresa espera "ver o primeiro conjunto desses aplicativos sendo lançado nas próximas semanas" nos EUA, o que pode ser uma resposta tácita a alguns críticos que apontou que não vimos muita coisa na maneira de produtos reais serem construídos com a tecnologia lançada em maio.

Burke escreve que atualmente 20 estados e territórios dos EUA estão "explorando" aplicativos que fazem uso do sistema ENS e que juntos representam quase metade (45%) da população americana em geral. Ele também compartilhou atualizações recentes e melhorias feitas na Notificação de Exposição API, bem como à documentação e informações circundantes que as empresas compartilharam para responder às perguntas das agências de saúde estaduais e, com sorte, tornar suas implicações de uso e privacidade mais transparentes.

A API do ENS agora suporta notificações de exposição entre países, o que Burke diz ser um recurso adicionado com base em países que já lançaram aplicativos baseados na tecnologia (que inclui o Canadá, a partir de hoje, bem como em algumas nações européias). Agora também é melhor usar valores Bluetooth específicos para uma ampla gama de dispositivos para melhorar a precisão da detecção de dispositivos próximos. Ele também diz que eles melhoraram a confiabilidade dos aplicativos e das ferramentas de depuração para quem trabalha no desenvolvimento, o que deve ajudar as autoridades de saúde pública e seus parceiros desenvolvedores a criar aplicativos com mais facilidade que realmente usam o ENS.

Burke continua que houve feedback dos desenvolvedores de que eles gostariam de obter mais detalhes sobre como o ENS funciona oculto e, portanto, publicaram guias públicos que direcionam as autoridades de saúde sobre a criação do servidor de verificação de teste, o código que revela seu funcionamento subjacente e informações sobre quais dados são realmente coletados (de maneira não identificada) para permitir uma depuração e verificação muito mais transparentes do funcionamento adequado do aplicativo.

O Google também explica por que exige que um Android a configuração de localização do dispositivo deve estar ativada para usar as notificações de exposição – mesmo que os aplicativos criados usando a API sejam explicitamente proibidos de coletar dados de localização. Basicamente, é um requisito legado que o Google está removendo no Android 11, que deve ser lançado em breve. Enquanto isso, entretanto, Burke diz que, mesmo com os serviços de localização desativados, nenhum aplicativo que use o ENS poderá realmente ver ou receber dados de localização.

Fonte: TechCrunch