Tesla forçada a recusar € 1,1 bilhão em apoio da UE para a fábrica de baterias alemã

13

A Tesla foi forçada a recusar mais de € 1,1 bilhão em subsídios europeus para sua planta de bateria planejada perto de Berlim, depois que atrasos no projeto principal violaram uma condição-chave do financiamento.

A fabricante de carros elétricos se candidatou ao dinheiro por meio de um programa da UE estabelecido para desenvolver a indústria de baterias no continente.

A UE exige que qualquer local que receba os fundos seja a “primeira implantação industrial” da tecnologia, de acordo com documentos oficiais, o que significa que as baterias ainda não podem ser feitas em outra fábrica da Tesla.

Mas os desafios legais para a construção da fábrica, que produzirá carros primeiro antes de fazer as baterias, atrasou sua inauguração por vários meses. Isso significa que a empresa, cuja avaliação atingiu US $ 1 trilhão no início deste ano, deve começar a produzir as mesmas baterias em outro lugar mais cedo.

O governo alemão confirmou na sexta-feira que a Tesla não estava mais buscando os subsídios, mas se recusou a comentar mais.

“A Tesla ainda está cumprindo seus planos para a fábrica de baterias (de Brandemburgo)”, disse o ministério da economia alemão, acrescentando que “os subsídios estatais não usados ​​pela Tesla agora estão disponíveis para outros projetos”.

O presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, já expressou sua frustração com o lento progresso da fábrica e pediu que a burocracia alemã seja simplificada. Os funcionários da fábrica também devem eleger um conselho de trabalhadores dentro de alguns dias, potencialmente atribuindo a eles o poder de atrasar ou rejeitar as decisões da administração.

Em resposta a perguntas no Twitter, Musk respondeu na sexta-feira: "Sempre foi a opinião de Tesla de que todos os subsídios deveriam ser eliminados, mas isso deve incluir os subsídios maciços para petróleo e gás."

A Tesla já havia recebido apoio do governo em outros projetos de construção em todo o mundo.

Separadamente, na sexta-feira, um processo da empresa na China revelou que a Tesla planeja expandir a capacidade de sua fábrica de automóveis em Xangai, permitindo aumentar o número de funcionários no local em cerca de um terço e aumentando a produção no maior mercado de carros elétricos do mundo.

A montadora dos EUA vai gastar cerca de Rmb1,2 bilhões ($ 188 milhões) para aumentar a capacidade da fábrica, levando o número máximo de trabalhadores na fábrica de 15.000 para 19.000.

O processo na China não disse quantos veículos a mais a fábrica seria capaz de produzir.

Sua unidade de Xangai, que começou a produzir no final de 2019, atualmente é capaz de fabricar cerca de 450.000 carros por ano, quase o número de carros que a Tesla vendeu globalmente no ano passado.

A expansão ocorre depois que a Tesla foi forçada a se desculpar com os consumidores na China no início deste ano, depois que sua resposta às reclamações gerou protestos contra a empresa e atraiu a ira da mídia estatal.

Musk estabeleceu uma meta habitualmente ambiciosa de produzir 20 milhões de veículos por ano até o final da década, uma conquista que, se bem-sucedida, tornaria a Tesla duas vezes maior que a Volkswagen ou a Toyota, os dois maiores produtores da indústria hoje.

A Tesla está a caminho de fabricar cerca de 1 milhão de veículos este ano, apesar da maioria de seus rivais reduzir a produção por causa da escassez global de chips.

Em seus resultados do terceiro trimestre no mês passado, a Tesla disse que as receitas aumentaram 57 por cento, para US $ 13,8 bilhões, em comparação com o mesmo período do ano anterior, enquanto registrou um lucro trimestral recorde de US $ 1,6 bilhão.

Musk disse aos investidores da Tesla no mês passado que o site de Xangai já produziu mais veículos do que sua principal instalação em Fremont, Califórnia.

O site da China fabrica o Modelo 3, que vende localmente e exporta para a Europa, e o Modelo Y.

Reportagem adicional de Wang Xueqiao em Xangai.

© 2021 The Financial Times Ltd. Todos os direitos reservados Não deve ser redistribuído, copiado ou modificado de qualquer forma.

Fonte: Ars Technica